sábado, 20 de janeiro de 2018

The Face of God

Hoje, sem muitos rodeios, Qual é o Rosto de Deus?, do BRAZA, antigo ForFun:


BRAZA: Qual é o Rosto de Deus?

A trama do tempo, a carne viva e a ferida
Não sei se a vida é justa, mas tá aí pra ser vivida
Ninguém sabe a verdade, mas nunca será tarde
Enquanto um problema for uma oportunidade

Vento sudoeste que acinzenta a paisagem
Trás a frente fria e à chuva dá passagem
Sei bem porque vieste, há muito eu já sabia
Nem tudo é céu azul e há também melancolia

Cada um é o que sobrou de ontem, o que juntou de tudo
Diretor, protagonista e roteirista do seu mundo
(Sem) vítima ou culpado, castigo ou recompensa
Esteja em nós o nosso reino, perdoai-nos tanta ofensa

Como se você já houvesse perdido tudo
Mesmo se no fundo nunca houvesse tido nada
Despido do escudo e de uma tonelada
Um sofrimento agudo, ferida cicatrizada

Tudo sempre certo, quase nada resolvido
Com rima ou sem rima, pra encontrar o seu motivo
Lutar por uma causa, amar, criar um filho
Compreender o ego ou buscar o próprio brilho

Cada um é o que sobrou de ontem, o que juntou de tudo
Diretor, protagonista e roteirista do seu mundo
(Sem) vítima ou culpado, castigo ou recompensa
Esteja em nós o nosso reino, perdoai-nos tanta ofensa

Ô, Luz!
É um milagre, um teste, um sonho, uma cruz
Diz pra mim qual é o rosto de Deus
Talvez seja o seu, talvez seja o meu
Ou nada, ou tudo, ou luz

Viver com a urgência de que houvesse uma só vida
E a paciência leve de que a vida é infinita
Ninguém sabe a verdade, mas nunca será tarde
Enquanto um problema for uma oportunidade

Quero poesia que preencha o meu peito
Pra me provocar, pra perceber o meu defeito
Uma poesia pra fortalecer a meta
Aquilo que te faça acelerar a bicicleta

Cada um é o que sobrou de ontem, o que juntou de tudo
Diretor, protagonista e roteirista do seu mundo
(Sem) vítima ou culpado, castigo ou recompensa
Esteja em nós o nosso reino, perdoai-nos tanta ofensa

Ô, Luz!
É um milagre, um teste, um sonho, uma cruz
Diz pra mim qual é o rosto de Deus
Talvez seja o seu, talvez seja o meu
Ô, nada! Ô, tudo! Ô, luz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário